2 de fev de 2010

O fim da infância (?)



Em nossas vidas passamos por muitas etapas,todas com diferentes objetivos.Entre elas está a infância,que por sua vez é a base para que a criança possa construir seus conceitos e formar suas ideias,pode ser considerada uma fase muito importante pois é nela em que criamos nossos princípios.Mas,apesar de ter tanta importância,a infância está acabando.

Na verdade,a infância não existia desde o começo dos tempos,ela foi inventada.Na Idade Média as crianças eram consideras ‘adultos em miniatura’.Isso foi mudando conforme a invenção da imprensa,os livros se tornaram mais populares e as escolas ressurgiram.Com uma cultura mais letrada,a importância dos estudos fez com que surgisse o pensamento de que esperto era aquele que colocava seus filhos na escola para que o futuro deste estivesse garantido,mas esse conceito era só entre os burgueses,entre a plebe a infância ainda era apenas um sonho.

Com a revolução francesa ir à escola se tornou obrigatório e os direitos da criança começam a surgir.A partir daí o mundo se divide em duas partes:o mundo dos adultos e o mundo das crianças.Com isso surgem as diferenças sobre os assuntos que se poderiam ou não conversar com uma criança,tudo para que ela tivesse uma infância sadia.

A mesma imprensa,que popularizou os livros fazendo com que a infância surgisse junto com as escolas ,é a imprensa que popularizou a TV,unindo os dois mundos novamente.Essa junção está fazendo com que as crianças tenham cada vez mais acesso ao mundo dos adultos,as vezes recebem informações das quais não estão preparadas para ouvir.Por isso a criança que tem como companhia uma TV recebe um número muito grande de informações sem saberem de seu valor .A internet também trás diversas informações à uma criança que muitas vezes nem está completamente alfabetizada e tem em suas mãos acesso a muitas informações do mundo adulto.

Mas não é só a TV ou a internet que estão ameaçando a infância.O pensamento de que a adolescência é a fase mais divertida da vida faz com que as crianças queiram crescer cada vez mais rápido.Olhe em sua volta,perceba que as crianças que antes eram consideradas crianças (9,12 anos) estão deixando a infância cada vez mais rápido.

O seletivo mercado de trabalho também faz com que uma criança de 3 anos já comece a aprender três línguas ou fazer atividades extras,fazendo com que sua agenda fique tão cheia a ponto de não ter tempo para brincar.Cada vez mais as crianças entram no mundo complicado dos adultos,preste atenção nos programas de TV,pensem no quanto essa criança que apresenta um programa em rede nacional deve se sentir pressionada.Pode até ser que uma apresentadora mirim leve seu ‘serviço’ como uma brincadeira,mas os espectadores,os chefes,a cobrança e a exposição de sua imagem são iguais a de um adulto.

Agora,por mais que programas de TV educacionais tentem nos fazer crer que a infância não está prestes a acabar,podemos ver,ao nosso redor que ela está com os dias contados.Compare,você se lembra de quando brincadeira de criança era pega-pega,boneca,carrinho de rolimã e casinha,ao invés de ser o novo ‘game’ na internet?Ou quando as meninas de seus nove,dez anos cuidavam de bonecas e não de seus filhos?

Se a minha infância já pode ser considerada diferente se compararmos com a infância de meus pais,aqui está minha dúvida:Como será a infância de meus filhos?Serão obesos sedentários?Ou pequenos adultos com a agenda cheia?

Está diante de nossos próprios olhos,nossas crianças estão se tornando adolescentes cada vez mais rápido,talvez seja porque a mídia fala tanto sobre como a adolescência é o melhor período da vida.Até a Turma da Mônica precisou crescer para voltar a vender.



Pense nisso.

3 comentários:

  1. A infância dos meus filhos será um arco-íris *-*
    Algo como..um sonho que não tem fim.

    ResponderExcluir
  2. Tayná, realmente um texto muito bom!
    Você começou mostrando que a infância é uma criação - no passando não havia diferenças entre as obrigações de uma adulto e as de uma criança. E terminou mostrando que a sociedade atual tenta, de algum modo, minimizar essas diferenças.
    Gostei muito, parabéns!

    ResponderExcluir